A Origem do Tempo: Em dois Tempos


A Origem do Tempo

 
“No Principio Deus Criou os Céus e a Terra” (Gn. 1:1)
                                          Podemos identificar este “Principio” como o principio de tudo aquilo que abrange o mundo material, seria a primeira fração de segundos, o primeiro minuto, a primeira hora... Porém não o tempo humano e sim o tempo divino.  Ora talvez você pergunte como assim?
                                       Simples! Temos que a admitir a existência de dois Tempos á grosso modo seria: O Tempo Humano fracionado em 24 horas, semanas, meses e anos. E o Tempo de Deus, o qual não tem fim e nem limite.
                                       Numa leitura atenta de Gênesis 1 notamos esses tempos coexistindo, observe:


Dia Primeiro no Tempo de Deus

Gn. 1:1 No princípio criou Deus os céus e a terra.
2 A terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo, mas o Espírito de Deus pairava sobre a face das águas.
3 Disse Deus: haja luz. E houve luz.
4 Viu Deus que a luz era boa; e fez separação entre a luz e as trevas.
5 E Deus chamou à luz dia, e às trevas noite. E foi a tarde e a manhã, o Dia Primeiro.

                                   No caso Deus no Primeiro Dia deu forma a Terra, que por alguma razão era sem forma, vazia e sem vida, o que está de pleno acordo com a Era Arqueozoica. Depois, Deus cria a Primeira Luz cósmica, a qual é a matéria prima de todas as luzes dos corpos celestes luminosos. Todavia a as Trevas no texto já existia, o que indica que a escuridão é mais antiga do que a Luz.
                                      Como um Ser extremamente onisciente, capaz de prever os acontecimentos antes de acontecer, Deus sabia que o Homem seria incapaz de ver nas trevas, e não só o homem, mas toda a criação dependeria de algum modo da luz.
                                   Esta LUZ é um fator predeterminante na existência do TEMPO para o Mundo Material.  Lembrando que Luz e trevas para Deus são a mesma coisa, pois ele é capaz de ver no escuro e no claro.
Muitos se perguntam: O que existia antes do principio? Que espaço Deus ocupa? Qual a origem de Deus?
                                          Deus nunca esteve sujeito ao tempo, ele é eterno. No Principio Deus criou o tempo e o espaço para a matéria existir e se ocupar. Na criação o calendário começa do zero, a hora zero, o minuto zero o milésimo de segundo zero. O tempo ainda não existia que conhecemos ainda não existia. O Tempo foi criado por Deus para a criação com uma serie de objetivos que são discorridos aos poucos na Bíblia sagrada e em nossa mente e ao longo da história da humanidade. 
                                   Não existe Principio sem o tempo e sem espaço para a matéria ocupar, nesse sentido o Princípio seria o tempo, enquanto os Céus seriam os Espaços necessários para a matéria ocupar.


Dia Segundo no Tempo de Deus
Gn. 1: 6 E disse Deus: haja um firmamento no meio das águas,
e haja separação entre águas e águas.
7 Fez, pois, Deus o firmamento, e separou as águas que estavam debaixo do firmamento das que estavam por cima do firmamento. E assim foi.
8 Chamou Deus ao firmamento céu. E foi a tarde e a manhã, o dia segundo.
                                  Do primeiro dia para o segundo dia isso pode abranger “ERAS”, 1.000 anos, 8.000 mil anos ou até mesmo milhões de anos. Embora temos que admitir que a terra não precisaria de milhões de anos para fazer uma expansão entre águas e águas.
                                   No segundo dia de Deus são criados originados os mares e oceanos, as fontes de águas doces, salgadas... Este Dia não é um dia comum como nosso, pois o sol e a luz ainda não existiam.
Isso deixa claro que as águas, as relvas, as árvores... Existiam antes mesmo do sol, da lua e das estrelas existirem.

Gn. 1: 11 E disse Deus: Produza a terra relva, ervas que dêem semente, e árvores frutíferas que, segundo as suas espécies, dêem fruto que tenha em si a sua semente, sobre a terra. E assim foi.

Dia Terceiro de Deus

Gn 1:9 E disse Deus: Ajuntem-se num só lugar as águas que estão debaixo do céu, e apareça o elemento seco. E assim foi.
10 Chamou Deus ao elemento seco terra, e ao ajuntamento das águas mares.
E viu Deus que isso era bom.
11 E disse Deus: Produza a terra relva, ervas que dêem semente, e árvores frutíferas que, segundo as suas espécies, dêem fruto que tenha em si a sua semente, sobre a terra. E assim foi.
12 A terra, pois, produziu relva, ervas que davam semente segundo as suas espécies, e árvores que davam fruto que tinha em si a sua semente, segundo as suas espécies. E viu Deus que isso era bom.
13 E foi a tarde e a manhã, o dia terceiro.
O Ajuntamento das águas é chamado de Mares, e a gigantesca chama-se terra, para nela o Homem habita e coma seus frutos.
                                    A Terra sofre um cataclismo a tal ponto da terra coberta de água subir até a superfície se tornando um elemento seco em forma de  continente gigantesco o qual podemos chamar de Pangéia. O Homem não seria um anfíbio ou um réptil, mas sim um ser humano com varias limitações, para destruir o mundo tão belo que Deus criou.
Gn 1: 11 E disse Deus: Produza a terra relva, ervas que dêem semente, e árvores frutíferas que, segundo as suas espécies, dêem fruto que tenha em si a sua semente, sobre a terra. E assim foi.
12 A terra, pois, produziu relva, ervas que davam semente segundo as suas espécies, e árvores que davam fruto que tinha em si a sua semente, segundo as suas espécies. E viu Deus que isso era bom.

                                         Aqui a terra produz relva, ervas que produzem suas próprias sementes, para que ninguém fosse procurar na Laranjeira a semente da Maçã. Cada arvore produzia sementes sem a existência do sol e da luz, mas com a luz e as trevas. Sabemos que quando plantamos um caroço de manga, somente iremos colher dentro de um prazo de cinco anos dependendo das circunstancia. Então as árvores aqui não surgiram junto com as ervas e produziram suas sementes no mesmo dia, n mesma hora, no mesmo segundo...


Dia Quarto, inicia do tempo dos Homens.

Gn. 1: 14 E disse Deus: haja luminares no firmamento do céu, para fazerem separação entre o dia e a noite;
sejam eles para sinais e para estações, e para dias e anos;
15 e sirvam de luminares no firmamento do céu,
para alumiar a terra. E assim foi.
16 Deus, pois, fez os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; fez também as estrelas.
17 E Deus os pôs no firmamento do céu para alumiar a terra,
18 para governar o dia e a noite, e para fazer separação entre a luz e as trevas.
E viu Deus que isso era bom.
19 E foi a tarde e a manhã, o dia quarto.

                                   Nos céus não havia estrelas, nem o sol e nem a lua... Também não havia separação entre “DIA” e “NOITE”, como conhecemos um inicio de Dia e um fim de noite, como hoje se vê. Isto é, para o Homem, para Deus existia um DIA e uma Noite sem lua, sem estrelas, sem o sol...
                              Diante disso concluímos que o tempo o qual nós conhecemos no calendário surgiu no Quarto dia da Criação. O que refuta a idéia que o mundo foi criado em seis dias literais, e, reforçando a idéia que os céus e a Terra foi criado em “ERAS”, o que pode envolver tranquilamente milhares e milhares de anos na criação.
                            Cabe a pergunta: Porque Deus teria tanta pressa se ele não está sujeito ao tempo?

Salmos 90:1 Senhor, tu tens sido o nosso refúgio de geração em geração.
2 Antes que nascessem os montes, ou que tivesses formado a terra e o mundo, sim, de eternidade a eternidade tu és Deus.
3 Tu reduzes o homem ao pó, e dizes: Voltai, filhos dos homens!
4 Porque mil anos aos teus olhos são como o dia de ontem que passou,
e como uma vigília da noite.
5 Tu os levas como por uma torrente; são como um sono;
de manhã são como a erva que cresce;
6 de manhã cresce e floresce; à tarde corta-se e seca.

2ª Pedro 3: 4 e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação.
5 Pois eles de propósito ignoram isto, que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste;
6 pelas quais coisas pereceu o mundo de então, afogado em água;
7 mas os céus e a terra de agora, pela mesma palavra, têm sido guardados para o fogo, sendo reservados para o dia do juízo e da perdição dos homens ímpios.
8 Mas vós, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia.


Conclusão: Temos que admitir a Existia de Dois tipos de Tempo, 
seria ao modo de ver: 

01 - Tempo Espiritual/Imaterial: Tempo esse que não tem Principio e nem Fim,é Ilimitado, não é possível conta-lo. Usufruiremos desse tempo após o fim do primeiro Céu e da Primeira terra (Ap. 21:1) quando adentrarmos para morar na Cidade Celeste, onde não haverá mais noite e nem dia(Ap. 21:23). Nota-se a existência desse tempo em Gênesis do Capítulo 01: 1- 13.  SE explica por meio desse tempo o que Paulo declara:

2ª Co. 4: 17 Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós cada vez mais abundantemente um eterno peso de glória;
18 não atentando nós nas coisas que se vêem, mas sim nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, enquanto as que se não vêem são eternas.

02- O Tempo dos Homens: Tem Inicio e Fim, é limitado. Estamos usufruindo desse tempo para determinar onde passaremos a eternidade. Esse "TEMPO"  é fracionado em minutos, horas, dias, semanas, meses, anos, décadas...


O Tempo dos Homens ou tempo Material/ Físico foi para o mundo material, é descrito a partir de Gênesis 1: 14- 18. Mais precisamente no Quarto Dia do Tempo Espiritual. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

IMAGENS E VIDEOS DOS TSUNAMIS (MAREMOTOS) QUE ASSUSTARAM O MUNDO

NAAMÃ E O VALOR EM REAIS DE SEU PRESENTE PARA ELISEU

GUERRA NA LÍBIA: IMAGENS E VÍDEOS FALAM POR SI