As mulheres foram excluídas da história do cristianismo, afirma historiadora

As mulheres foram excluídas da história do cristianismo, afirma historiadoraA professora Kate Cooper, da Universidade de Manchester, é uma erudita em questões históricas do cristianismo. Ela está causando diversas reações no meio acadêmico com o lançamento de uma longa pesquisa. Material que foi reunido no livro Band of Angels: The Forgotten World of Early Christian Women[Hoste Angelical: O Mundo Esquecido das Mulheres do Início do Cristianismo], lançado este mês pela editora Atlantic.
Cooper identificou dezenas de mulheres cristãs que foram “esquecidas”, mesmo sendo muito influentes no primeiro e no segundo século. Especialmente, por que naquele período o cristianismo era – em certos aspectos – mais progressista em relação às mulheres do que hoje.
Seu argumento é que as mulheres desempenharam um papel fundamental na divulgação da nova fé cristã através de redes familiares e de amizades. A autoridade delas nas comunidades cristãs foi conquistada no desempenho como líderes comunitárias ou pequenas empresárias. Além de passarem os princípios da nova fé aos seus filhos.
Uma das únicas mulheres mencionadas no livro de Atos é Lídia, a vendedora de púrpura. Ela foi uma das primeiras pessoas a patrocinarem o ministério de Paulo.
  
Também lembrada pela tradição cristã é Perpétua, que viveu em Cartago no final do segundo século. Seu testemunho de fé ficou famoso na época em que era grande a perseguição. Ela se recusou a negar a sua fé, indo contra a vontade de seu pai e acabou sendo martirizada. Seu diário, escrito enquanto aguardava a execução na prisão, seria considerado um documento radical demais para o mundo de hoje.
Isso demonstra o comprometimento dela e provaria, ao contrário das opiniões da maioria dos teólogos, o papel da mulher no início do cristianismo, esclarece a professora Cooper.
Um das mais influentes (e ignorada), segundo a historiadora, é Tecla de Icônio, quem os cristãos do segundo século acreditavam ter sido uma das discípulas do Apóstolo Paulo. Embora não se tenha muitos detalhes sobre ela, sua história era muito conhecida nos primeiros séculos de cristianismo. Existe um documento chamado de “Atos de Paulo e Tecla”, difundido na igreja primitiva, que mostrava como ela se rebelou contra sua família por recusar-se a casar; um ato impensável na época.
A influência de sua história durou muito tempo, tornando-se uma das responsáveis pela formação da teologia católica sobre a castidade e da virgindade. “Todo grande escritor cristão no século IV tinha uma irmã. Estas jovens foram encorajadas a seguir o exemplo de Tecla. Ao invés de criticá-la por ter desobedecido seus pais, a Igreja primitiva celebrava a sua coragem”, assevera Cooper.
“O cristianismo foi bastante revolucionário na forma como tratou suas mulheres, especialmente quando se percebe quanto o mundo antigo era machista… Essas santas mulheres tinham uma influência radical e poderosa na igreja primitiva. Pena que foram escondidas à vista de todos”, lamenta a historiadora.
“Muitas histórias dos Evangelhos, por exemplo, a de Marta e Maria no registo de Lucas, pode nos dizer muito mais sobre o papel da mulher se pararmos para prestar atenção. Isso é algo que os escritores do sexo masculino não teriam feito de forma natural… As fontes antigas sempre mencionam as mulheres, mas ao longo do tempo foi se dando cada vez menos atenção ao seu papel. Realmente, eles foram amplamente excluídas da história da Igreja”, enfatiza. Cooper ressalta que sua inspiração para o livro foi justamente por ser cristã e acreditar que esse equivoco histórico precisa ser corrigido.
As mulheres, defende a professora, pregavam o evangelho com regularidade nos dois primeiros séculos do cristianismo. Em algumas comunidades inclusive realizavam batismos.
Porém, após a conversão do imperador romano Constantino, no ano 313 d.C, a religião tornou-se institucionalizada. Os bispos passaram a ser as autoridades governamentais e as mulheres deixaram de ser vistas como figuras importantes, o que prevalece até hoje.
De tempos em tempos a Igreja católica discute a ordenação de mulheres ao sacerdócio, mas sem mudanças significativas. Em algumas denominações evangélicas elas vêm reconquistando o seu espaço, mas não sem gerar controvérsia e debates acirrados

Com informações de History Extra e Daily Mail.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

IMAGENS E VIDEOS DOS TSUNAMIS (MAREMOTOS) QUE ASSUSTARAM O MUNDO

NAAMÃ E O VALOR EM REAIS DE SEU PRESENTE PARA ELISEU

GUERRA NA LÍBIA: IMAGENS E VÍDEOS FALAM POR SI